A dinâmica da política e o representante de Iguatu na Lava Jato

A dinâmica da política e o representante de Iguatu na Lava Jato

A cidade de Iguatu é uma das poucas a terem representação forte na operação Lava Jato da Policia Federal. Lembrando que Iguatu sempre teve seus talentos como o compositor Humberto Teixeira que divide com Luiz Gonzaga o título de rei do baião, do maestro Eleazar de Carvalho, do musico Evaldo Golveia, do ator Pedro Lima Verde, a recente e talentosa artista, Betânia Lopes, entre vários outros que tem de certa forma engrandecido o nome de Iguatu por onde andam.

Perante a todo o terrorismo da mídia com a campanha da Lava Jato que passou para as pessoas o sentimento de que corrupção só existe no governo do PT, caiu como uma luva quando associada à ignorância de conhecimento por parte da população do país e foi além quando recrutou verdadeiros desequilibrados mentais que acreditam na volta da “Ditadura Militar” e daqueles que vão pelo mérito, os famosos “meritocratas”, que somando tudo isso a hipocrisia, chegou no Iguatu trazido pelo deputado Agenor Neto (PMDB) e pelos seus correligionários locais que começaram a proliferar verdadeiros absurdo, na câmara de vereadores a coisa era ainda pior porque o “cão” de guarda que se diz vereador despejava seu ódio plenário do legislativo, sem pudor nenhum , chegamos a ouvir perolas como do hoje presidente da câmara, Rubenildo Cadeira (PRB), que na época que era líder do prefeito disse que “a culpa do fim da família era do PT”, e juro que não vi fim de família nenhuma, muito pelo contrario, vi foi famílias com mais oportunidades, com mais liberdade para consumir, com mais renda, das mais simples as mais ricas os filhos podem ir a faculdade para serem o que quiser, engenheiros, estilistas e doutores, mas a orientação era desgastar o PT, o mesmo PT que deu a Agenor na época em que era prefeito de Iguatu a oportunidade de ser um gestor com dinheiro para construir praças, calçamentos e até o querer de se comparar com o Lula fazendo montagem de fotos e colando pelos muros da cidade.

Eleições 2014

Na chegada da reeleição da presidenta, Dilma Rousseff (PT), o deputado Agenor resolveu apoiar o Aécio Neves (PSDB), depois que o senador Tasso Jereissati (PSDB), mandou, até porque o Tasso como um bom rico e tucano não pede, manda mesmo, e cabe aos fracos obedecem com medo de perder bens materiais, no caso do deputado, acredito eu, que a perca seja coisas bem mais caras, como a liberdade.

O período eleitoral de 2014 foi marcado pelo massacre de votos, Dilma reeleita, tirou quase 95% dos votos validos de Iguatu e o hoje governador, Camilo Santana (PT), que havia perdido no primeiro turno na cidade, venceu e ainda colocou uma distancia de 12 mil votos em Eunicio, que deixo o “cão” da câmara ainda mais raivoso, ao ponto de se descontrolar e influenciar diretamente num rachar entre a situação, que levou a alguns membros da base do Aderilo usarem o termo “bom censo”, que rendeu episódios vergonhosos na eleição da presidência da câmara, com direito a fraude de voto e tudo, a bagunça foi tanta que até o vice-prefeito saiu da base e acusou publicamente do prefeito Aderilo Alcântara (PSD) ser somente um testa de ferro do ilustríssimo deputado.

A Laja Jato chega no Iguatu ou não? 

Parecia que a tragédia eleitoral do grupo de Agenor não podia piorar, os vários fascistas estavam loucos pelo fim do PT, que a culpa é do PT, PT que inventou a corrupção, e se brincar, até a falta de prestação de contas do dinheiro das obras paralisadas no Iguatu seria do PT. Só que a noticia nos meios de comunicações do Ceará veio à tona o depoimento na Lava Jato do cearense deputado federal, Anibal Gomes (PMDB), o que? Como? Isso mesmo, o Anibal amigo de Agenor que ganhou o carinhoso apelido do amigo de “Anibal do Iguatu” estava na operação que segundo o grupo do deputado dizia ser só coisa de PT, e depois disso a lista de partidos ampliou (4 PT, 9 PSDB, 19 PMDB e 22 PP) e por aí segue crescendo até hoje. Os investigadores da Policia Federal queriam que Anibal explicasse como seu patrimônio passou de 300 mil para 6 milhões, e uma parte do depoimento virou chacota “Como você conseguiu tanto dinheiro em tão pouco tempo? Não sei, andava com dinheiro vivo na campanha, um milhão aqui e outro ali, mas não me lembro! Quem sabe? Talvez o Tim. Quem é Tim? É o meu contador, Tim de que? Não sei. Quanto tempo esse tal Tim trabalha com você? Seis Anos. E não sabe o sobrenome dele? Não!

As suspeitas da PF com Anibal era para saber se o presidente do senado, Renan Calheiro (PMDB), era o beneficiário do esquema da Petrobras que a Lava Jato investiga, a possível participação dele seria o cara que levava e trazia acordos e dinheiros para o presidente do senado.

Resumindo em miúdos, o Anibal sumiu da boca do amigo deputado Agenor, sumiu da boca dos vereadores aliados e sumiu das homenagens de ruas e praças do Iguatu. A duvida nesse momento é se Anibal abrir a “caixinha de pandora” a Lava Jato chega ou não no Iguatu

Saiba mais da denúncia sobre o Anibal noticiado pelo PIG G1

1000 Letras Restantes